Clipping

Vídeo Release

Apresentação do Khort - Prático, higiênico e seguro abridor de sachês! Apresentação do produto e do prêmio ganho na feira...

Leia mais

Só ter a idéia não vale nada!

Matéria no caderno Boa Chance do jornal O Globo de 08/01/2012.

Perfil: Leopoldo Almeida – clique na imagem para aumentar tamanho.

Transcrição:
Maíra Amorim – maira.amorim@oglobo.com.br

PERFIL • LEOPOLDO ALMEIDA, Criador do Khort
Só ter a ideia não vale nada’ Empreendedor que criou abridor de sachês diz que o difícil é tornar o projeto viável
O Globo 08 de janeiro de 2012

O ano era 2007. Leopoldo Aquino, então desempregado, entrou em uma lanchonete e pediu um sanduíche. Ao ser servido, reparou que os sachês de ketchup e mostarda tinham sido cortados com uma tesoura. Foi quando aconteceu o estalo: por que não criar um produto para abrir essas embalagens com mais facilidade?
Nascia o projeto do abridor de sachês Khort, que, hoje, vende uma média de 40 mil unidades por mês no Brasil e cerca de quatro mil nos Estados Unidos, mercado no qual Aquino está investindo pesado desde que ganhou o prêmio de Melhor Invento das Américas, na “Invention and New Products Exposition”, em 2010.
Na segunda quinzena de dezembro, estrearam os comerciais do Khort em território americano, com 500 inserções de três minutos em três grandes redes e sete cidades — Nova York, Nova Jersey, Dallas, Tampa, Detroit, Chicago e Los Angeles
— Vai funcionar como um teste. Vou ver onde deu mais retorno,

Contaminação nas embalagens externas dos sachês – Bactérias, fungos e coliformes fecais

Clique na imagem para download do estudo na sua íntegra.

O Laboratório de Microbiologia de Alimentos da UFRJ analisou, em recente pesquisa, um abridor de sachês e a segurança microbiológica das embalagens plásticas descartáveis que conservam ketchup, mostarda, maionese, entre outros.

Foram detectados na área externa dos invólucros, numa amostragem de 285 unidades retiradas dos balcões de bares e lanchonetes do Rio de Janeiro, que mais de 70% apresentaram contaminação por fungos, 82% por bactérias e 66% por estafilococos, um tipo de bactéria muito resistente. Em mais de 10% desses foram encontrados coliformes fecais. São dados alarmantes para o consumidor, pois esses micro-organismos podem causar infecção intestinal, vômitos e diarréia.

Khort no Humaitá Louças

[caption id="attachment_411" align="aligncenter" width="300" caption="Stand do Humaitá Louças na feira "Equipotel" em São Paulo"][/caption]   O Humaitá louças esta comemorando seus 45...

Leia mais

Abrir Sachê

Sabe aquela hora que você está com fome? E só deu tempo de comprar um lanche? Você comprou o lanche...

Leia mais

Abridor de sachês

Sachê

Já não sei quanto tempo o sachê com maionese, mostarda e ketchup são fornecidos em restaurantes, lancherias, pizzarias e afins. É uma maneira de distribuir os molhos com qualidade, já que a embalagem é higiênica, tem nome de fabricante e data de validade. Agora só tem um detalhe… a maledeta forma de abrir… Seguem algumas situações que podem acontecer:

– Usando os dedos… exerce tal força que voa ketchup para tudo que é lado, inclusive na novíssima camisa Lacoste parcelada em 10x…

-Usando os dentes… Mesmo que anti-higiênico, usa-se no caso de ser impossível comer o hot dog sem mostarda…

Matéria Fator Brasil

O brasileiro Leopoldo Almeida ganha prêmio de melhor invenção nos Estados Unidos.

Lanchonete cheia, roupa limpa, pouco tempo para comer, sanduíche em uma mão, sachê de ketchup na outra. Diante desse dilema, o administrador carioca Leopoldo Almeida teve uma idéia simples e genial: criar um abridor de sachês. Pegou uma canaleta plástica de fiação, um pedaço de lâmina e fez um protótipo do Khort, a invenção que acaba de receber o prêmio “Best Invention of the Americas”, na 25ª edição da INPEX (Invents and New Products Exposition), realizada pela organização americana InventHelp, em junho, na cidade de Pittsburgh, Estados Unidos. O produto premiado foi o único representante brasileiro na feira.

“Adoro mostarda e ketchup e não vivia uma boa experiência quando consumia os molhos em sachê. Abrir as embalagens sempre era um problema. Até que um dia, o dono de uma lanchonete me ofereceu os sachês já com as pontas cortadas e vi que era possível resgatar o conforto que as bisnagas proporcionavam, sem correr o risco de intoxicação.”, lembra o inventor. Certo de que estava diante de um bom negócio, Leopoldo investiu no desenvolvimento, nas patentes internacionais, design de produto, pesquisa de mercado e adequação do produto às reais necessidades do consumidor.